arquivo

sábado, 27 de maio de 2017

27 de Maio de 1977

                  O que diria Simão Toco de tudo isto?



Semana dura esta que agora termina.
  Há 40 anos eu já não lisonjeava os homens ou as massas, diante de quem tantos se curvavam e curvam no mundo de hoje, em subserviências que são uma hipocrisia ou uma abjecção… Sou, tanto quanto se pode ser, um homem livre.
  E foi por isso que há 40 anos abandonei a minha terra.
Há 40 anos ocorreu a “inventona” do 27 de Maio em Luanda. O regime comunista de Agostinho Neto (poeta ??) proclamou que a partir daquela data já não havia meias tintas, ou se era pela revolução ou se era contra ela e assassinou milhares de filhos da pátria angolana.
  Os artistas que eram detentores da alma Angolana e que transportavam todo esse legado musical foram assassinados no 27 de Maio de 1977. 
  A Comissão das Lágrimas composta por gente que se supunha ser gente de bem, foi o trampolim usado pelo regime para mandar assassinar milhares de angolanos.

A ligeireza com que mataram tantos angolanos culpabilizando a sua opinião divergente foi e é de bradar aos céus.

  Mas os bandidos tiveram com quem aprender durante 500 anos. Foram alunos exemplares. Saíram melhores que os professores. Por aqui grandes empresas também “inventaram” a avaliação do potencial dos seus trabalhadores que permitem a alguns pulhas desonestos “crucifixar” aqueles que de si dependem hierarquicamente. Numa folha de papel colocam uns números que soam às antigas chicotadas nos escravos e às antigas pedradas nos cães. É crime maltratar os animais. Os “avaliados” ficam a aguardar por melhores dias.
  Tive amigos que partiram no 27 de Maio e agora tenho amigos que são “chicoteados” ou “apedrejados”. É assim a miséria humana.
  Mas nem tudo é mau. O filho do Presidente, irmão da Isabel dos Santos (que singrou na vida a vender ovos), comprou num leilão em Cannes, um relógio por meio milhão de euros.
  Bendita Revolução, Danilo dos Santos. O Povo é o MPLA. O MPLA é o Povo.
  Euros e dólares não faltam. O que é preciso é avisar a malta que há quem queira bons relógios, para saborear boas horas.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Maio 2017




  Portugal está particularmente feliz por ter recebido a visita do Papa, por ter dois novos Santos, por o Benfica ser campeão e Salvador ter ganho o festival. Feliz por saber que Angola também partilha essas alegrias.

  Baptista Bastos partiu há pouco, mas deixou-nos textos que nos suavizam as agruras dos dias, assim como há 22 anos, também em Maio mas da Bahia, partiu Neves e Sousa.

   E é neste conflito de emoções que os recordo hoje, neste mês de Maio: o BB com um excerto da crónica “O cemitério dos príncipes negros” e o NS com o poema “TAMBOR”.



Sei muito pouco de muitas coisas.

Os sítios, quero dizer: os países, os bairros, as ruas só existem nas nossas lembranças porque estão relacionados com pessoas. São as pessoas que tornam antiquadas ou actuais as nossas recordações. Por vezes penso: tiraram-me algumas coisas, mas nunca me tiraram a comovente beleza da vida.

  E agora vos digo: de vez em quando, aqui à beira desta cidade, invade-me o corpo o perfume forte de Luanda. Não é de Angola, não é de África, não é um odor tropical, nada disso. É o cheiro poderoso de Luanda, a bela. Uma mistura indefinível de húmus doce de um chão antiquíssimo que em mim perdura, creio que desde sempre e para sempre. Mesmo muito antes de conhecer Luanda.

  Talvez o ventre materno retivesse esse perfume estranho que só eu conheço, que apenas eu sinto. E emergem imagens das ruas, das pessoas, da restinga, das dezenas e dezenas de homens negros em frente às montras da Livraria Lello, na baixa de Luanda, lendo «A Bola», cujas páginas estavam lá coladas, e os homens negros discutiam entre si os desafios do futebol português, uns deles eram do Benfica, outros do Sporting, e também havia simpatizantes do Belenenses e do F. C. do Porto.





TAMBOR

Canta tambor, rufa tambor

sensual, quente, grita e clama

que uma só hora de amor

queima a vida numa chama



Não há voz mais pura

para embalar cantos de amor

que a voz quente do tambor

batucando a noite escura...



Canta tambor, rufa tambor

sensual, quente, grita e clama

que uma só hora de amor

queima a vida numa chama

terça-feira, 2 de maio de 2017

Que Viso eu? Esplanadas, Botecos e Tabernas.




                                               Que Viso eu? Esplanadas, Botecos e Tabernas.



   Viseu cidade de Viriato e das árvores da Tília. Talvez por isso a tranquilidade e a simpatia generalizada com que nos deparamos a cada esquina e em cada taberna. Recordei os tempos da juventude nas esplanadas de Luanda e a dos botecos nas várias cidades brasileiras que fui visitando ao longo destes anos. Recordações que vieram à tona na mui magnífica Pousada (antigo nosocómio) e no restaurante Moamba com o lindíssimo e sentido poema de Neves e Sousa escrito na parede, saboreando as múcuas (fruto do majestoso e milenar imbondeiro). Ali mesmo ao lado a Taberna da D. Maria com um tranquilo ambiente familiar e cultural, uma bela ementa (ai, as pataniscas de bacalhau e a tábua de queijos), um vinho abençoado por Bacco que dá sentido à afirmação do escritor, padre e médico francês François Rabelais, (que morreu precisamente 400 anos antes de eu nascer) - “Quando o vinho é de excelente qualidade como este, tem de facto o poder de encher a alma de toda a verdade, de todo o saber e filosofia”. Sem esquecer as músicas excelentemente interpretadas pelo proprietário, entre as quais destaco “et si tu n'existais pas” de Joe Dassin.. 

  De regresso a Lisboa, valeu a opção de circundar a Serra da Estrela admirando da estrada as paisagens que a ladeiam e as cidades da Guarda e da Covilhã. Antes de finalizar a viagem um petisco convenientemente regado no Cartaxo com o néctar que o Professor José Hermano Saraiva exaltava, que devido à sua textura sublinhava que não era para se beber mas… para comer.
  Se naquele tempo o vinho alimentava um milhão de portugueses, hoje com certeza alimenta muitos mais.



segunda-feira, 3 de abril de 2017

Ondjaki e os camarões


     Juju comandante das FAPLA e o filho

     Ondjaki escritor angolano                               

Resumo da entrevista do escritor “angolano” Ondjaki:



1 - Chega a altura em que tens de tomar uma opção. A guerra anti colonial começou em 1961 e em 1968 estás na ilha de Luanda a comer camarões?
Houve brancos que ficaram em Angola depois da Independência!
Os que abandonaram, não digam - tive que sair de Angola. Foi uma opção que tomaram.
Não vamos branquear nem escurecer a história. Cada um fez as suas escolhas.

2 - Quando Savimbi morre, quem fica vivo diz: “então, eu é que sou o arquitecto da paz”. E isso vai ficando, é fácil fazer isso passar num país que esteve tanto tempo em guerra.

3 - A Isabel dos Santos fará com o seu poder financeiro aquilo que uma pessoa na América ou na Europa também consegue fazer: o lobby que bem entender. Não é só ela, mas toda uma nova geração que já vai começar a aparecer, e que tem isso de herança.

4 - Os próximos vão ter de lutar por uma distribuição mais justa e mais ética do rendimento nacional, de modo a atenuar a desigualdade social, contra décadas de uma outra filosofia. Os da geração do Ondjaki, que andaram até agora na carroçaria porque ao volante estava o pai, passam para o volante...

Meditações do autor deste blogue:


1 – Os camarões vinham a acompanhar a cerveja sem custo adicional. Havia fartura e mais oferta que procura. Os “nacionalistas” e/ou os seus filhos não comiam camarões? Quantos estavam nessa luta? Porque se refugiaram em Argel, na Zâmbia ou no Congo? Para não serem presos pela PIDE? Pois é, os muito poucos que comiam camarões e a esmagadora do resto da população, independentemente da origem e/ou da raça, também estavam quietinhos e caladinhos pelos mesmos motivos. O pai não contou assim? Então é melhor mesmo pesquisar melhor. Não ficar só com uma versão!
  Ficaram alguns poucos brancos em Angola, mas tiveram que sair nos anos seguintes. E tiveram mesmo que sair. E não foram só brancos que abandonaram a terra. O comunismo, a DISA (irmã gémea da PIDE), a fome, a falta de assistência médica e a guerra eram implacáveis para quem não vivia no Palácio ou na sua vizinhança. Não é como o pai ensinou que foi uma opção, foi mesmo um tiveram que.
  A minha filha, pais angolanos e neta de angolana, nasceu em Angola, na Maianga, em casa e sem assistência médica, depois da independência e antes do Ondjaki. E precisamente um ano depois, tivemos que…, não foi opcção como o pai ensinou!
  E isto não é nem branquear nem escurecer nem amarelecer a história.
  Aconteceu assim mesmo.

2 – Savimbi não morreu. Foi emboscado e assassinado. Por isso é que não foi arquitecto, mas sepultado.

3 – A Isabel dos Santos, a família e os generais, herdaram de quem? Como foi mesmo obtido o legado deixado. E pelo que o Ondjaki afirma, não foram só eles não. Vamos esperar quem mais vai servir para branquear a riqueza. O Povo (99,9 %) que já não acusa, nem é tido nem achado, para não ir cangado, vive como?

4 – A partir de agora é que vão ter de lutar pelo fim da miséria. Os que viajaram até agora na carroçaria? Camaradas como o Ondaki? Mas afinal ele estudou onde, se formou onde, viveu onde? Nos últimos dez anos no Rio? Não é bom viver em Angola?
Os outros Filhos da Pátria que viajaram na carroçaria até agora, estão aonde? Onde se formaram, como viveram nestes anos?

E os combinadores condutores como Juju e seus comparsas, onde estiveram nestes anos todos, em que o Povo não tem casas nem medicamentos, muitas vezes mesmo nem comida?
 
E os outros é que comiam camarões?

O tempo passou por nós deixando uma devastação indescritível, restando-nos apenas farrapos duma memória longínqua.
  
E assim a história vai ficando amarelecida pelo tempo.

sexta-feira, 31 de março de 2017

Opinião Do Dia




Dia 29 de Março, um dia com duplo significado para mim, este ano coincidiu com o lançamento do livro dum antigo amigo. Com a chancela da editora Colibri, foi apresentado na Universidade Lusófona o “Opinião Do Dia”.
  Um livro com cerca de 250 crónicas produzidas pelo Jorge Gonçalves, em que tanto a forma como o conteúdo são imperdíveis. Não querendo de forma alguma substituir o Professor, agora Presidente da República, aconselho vivamente a sua leitura atenta, que implica uma reflexão sobre cada uma delas.
  No Auditório, o ambiente estava magnífico, ou não estivesse lá a CPPLP bem representada.
  Fomos ainda brindados com duas excelentes interpretações musicais de Angola, uma do poema “Namoro” do Viriato da Cruz e outra de música tradicional.
  Na última crónica, um tema que é mais uma vergonha para as autoridades angolanas. Lúcio Lara, número dois do MPLA, que deu posse a Agostinho Neto como primeiro Presidente da República Popular de Angola, se fosse hoje não teria a nacionalidade angolana. São as teias que a história tece, talvez pelo facto das revoluções herméticas serem autofágicas.
 
  Tinha comigo o livro “Angola no Tempo da Ditadura Democrática Revolucionária”, o que me permitiu conseguir um autógrafo e tirar uma fotografia com o angolano Adolfo Maria, um combatente, que com um Abraço sublinhou “o seu testemunho dos tempos de pesadelo mas de luta pela liberdade”.
 
 



A festa não podia ser mais bonita, neste dia 29 de Março de 2017.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Correntes d’Escrita 2017 by Carlos Monteiro

 

A Póvoa de Varzim é por estes dias a capital da Cultura em Portugal. Terra natal, por razões que não vêm agora ao caso, do grande Eça de Queiroz.
  Amante de livros e com disponibilidade para estar presente, decidi fazer a viagem, que valeu de facto a pena, porque tive a oportunidade de estar perto e de ter convivido com alguns nomes sonantes da literatura lusófona. Particularmente gostava de ter o último livro do Manuel Rui e a revista das Correntes, este ano com um artigo dedicado especialmente a Eugénio Lisboa.


 Levei comigo um livro, que comprei em Luanda há 40 anos, e que tem estado à espera duma oportunidade para o Manuel Rui o autografar. Aconteceu agora (1977-2017).






Em menos de 24 horas, tive a oportunidade de estar perto de várias personalidades, entre outras, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, Eugénio Lisboa, Mário Rui Monteiro (na dedicatória do livro que acabou de lançar tratou-me como seu conterrâneo, pelo que julgo ter recuperado metade da nacionalidade da minha Pátria, Consciente que ainda terei que percorrer um longo caminho para recuperar a outra metade) e Ondjaki.

 
Tive ainda a oportunidade de conversar um pouco com o meu conterrâneo, poeta e ensaísta Lopito Feijó, que é de uma simpatia extrema (fotografia abaixo).


 O ambiente informal e descontraído das Correntes D’escrita é de tal modo contagiante que até o Manuel Rui, riu como eu nunca tinha visto antes. As fotografias valem por mil palavras. Ainda me concedeu a honra de aceitar a oferta que lhe fiz do Angola Ixi Ietu.

  Na última fotografia estou ao lado do Karipande, que foi meu colega em Coimbra, e que tem uma memória prodigiosa, fazendo-me recordar acontecimentos deliciosos daqueles tempos do antigamente da vida, entre os quais destaco o do João Ferreira do Negage, de quem o meu avô emprestado foi empregado.
 


Fica a promessa e a vontade de voltar à Póvoa de Varzim, nas Correntes do próximo ano.
  Os acontecimentos que mais me marcaram podem ser vistos no filme que fiz e que coloquei no Youtube, que pode ser visto no endereço.
     
    https://youtu.be/O14xGvPjQv4                                      
                                 

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Sorrisos das gentes da minha terra

 
                       Saudades destes sorrisos encantadores das gentes da minha terra.